Posted tagged ‘corrupção institucionalizada’

Gilmar e Zé Dirceu

04/05/2017

Gilmar Mendes manda soltar Zé Dirceu, travestindo qualquer conceito de presunção de inocência, e desdenha Moro e Cia dizendo: “São jovens que não têm experiência institucional!” E é verdade! No momento em que institucionalizamos o crime, a experiência está só com aqueles que tratam intimamente desse assunto a mais tempo. Em seguida Gilmar tirou de sua concha outra pérola: “Creio que hoje o tribunal está dando uma lição ao Brasil. Há pessoas que têm compreensão equivocada do seu papel. Não cabe ao procurador da República pressionar, e não cabe a ninguém pressionar o Supremo Tribunal Federal. É preciso respeitar as linhas básicas do Estado de Direito. Quando nós quebramos isto, nós estamos semeando o viés autoritário, é preciso ter cuidado com esse tipo de prática.” E também é verdade! O Supremo, por definição, está acima de qualquer coisa, inclusive da verdade, da justiça, da ética, e do pasmo nacional frente à sensação de impunidade e de que o conceito de crime ganhou uma elasticidade mórbida.

Matar alguém é crime. Comandar um esquema que desvia bilhões que impediriam que milhares morressem por falta de recursos na saúde e na segurança merece um habeas corpus porque nem o dedo de Deus pode pressionar o Supremo. Minha vó diria que isso é birra!

Gilmar e Eike

04/05/2017

É difícil entender as leis. Eiki Batista, antes o empresário mais rico do país, estava preso por conta da Lava-Jato. Não tente compreender o crime do cara, enquadrado financeiramente e com um volume que justificou o bloqueio de um bilhão e meio de reais, seja lá o que isso signifique. Pois Gilmar Mendes mandou transferir o Eiki para a sua mansão de 20 milhões. Gilmar Mendes é ministro do Supremo Tribunal Federal e casado com a doutora Guiomar Feitosa de Albuquerque Lima Mendes; ele Gil e ela Guio, nas intimidades simplificadas do lar. Guiomar é advogada e trabalha com Sérgio Bermudes, um dos mais conceituados e requisitados advogados do país. O escritório de Sérgio Bermudes cuida de alguns interesses de Eiki Batista, o do habeas corpus concedido por Gilmar. Há quem justifique toda essas coincidentes voltas, que não foram suficientes para o impedimento do ministro na soltura do preso, com sutilezas entre objetos de áreas penais e áreas cíveis, dois bichos de espécies alienígenas, como se dois arquivos com assuntos diferentes impedissem que as duas pessoas que os seguram se conhecessem, embora trabalhem juntas, ou durmam juntas. A verdade é que um juiz experiente pode, quase sem querer, tropeçar em incisos de artigos que descrevam caputs com brechas que, data vênia, transmutariam conhecimentos mútuos passados em caludas futuras. Há furos que são muito a propósito!
Nessas horas me vem à mente aquela piada velha do advogado ateu que, no leito de morte, lia sofregamente a bíblia! A freirinha perguntou pra o médico: “Que bonito! Ele se converteu?” E o médico respondeu: “Que nada! Ele está é procurando um furo na lei!”

Seja dono do seu país.

23/04/2017

A política apodreceu! Cheira mal! Alguém não notou? A consciência média dos políticos, o que tomam como moralmente certo ou errado, revela verdadeiros psicopatas. Dessas criaturas, apartadas da humanidade, chafurdando na corrupção, não nascerão soluções para a nossa absurda crise de competência. A atual atividade política está totalmente focada na arte de parir artifícios que perpetuem a imunidade no usufruto do crime. Depois, o conluio dos três poderes, apurando as responsabilidades, se perguntará: o zé-povo povo soube “votar-da-forma-correta”? Pois, é sabido, “tudo-isto-que-aí-está” é fruto da “imaturidade-democrática-do-povo-brasileiro”. Se “todo o poder emana do povo”, a culpa só pode ser de quem exerce o poder! E deles! dirão gravatas e togas! Pura matemática! A responsabilidade deles começa no voto e continua na hora de pagar a conta, quando eventuais incompetentes enterrarem o país,

Em 2005, no Referendo do Desarmamento, 64% dos eleitores foram contra a proibição, mas, mesmo assim, o governo nos desarmou. Não os criminosos, apenas os não criminosos. E depois virou as costas para as questões de segurança e se esqueceu do assunto. Mas ainda nos deixou uma arma. O voto.

Você é obrigado por lei a votar. Mas não é obrigado a dar seu aval aos canalhas. Também sabemos que voto nulo não anula eleição. Se apenas o próprio canalha votar em si aquela eleição estará legitimada! Não se escandalize! É a lei! Mas esse eleito terá credibilidade? O atual processo eletivo, a farsa que nos querem fazer engolir, unge um bando de inaptos mal intencionados como imunes e é visto como a fórmula perfeita em nossa fantasia democrática. Precisamos sacudir os fazedores de leis. Nas últimas eleições a soma dos nulos, brancos e abstenções sobrepujou o número de votos dos vencedores nas principais capitais do país. Essa soma representou 26,5% dos votos em 2012 e 32,5% dos votos em 2016. A desilusão e a indignação popular com a classe política cresceram sensivelmente desde então. Todos os partidos estão sujos. Todas as lideranças estão sujas Queremos e merecemos uma reforma na consciência dos políticos e não uma reforma política feita por políticos comprometidos. Podemos e temos o poder de balançar as estruturas em 2018. Se você não é um idiota e não é um cúmplice, diga não aos sociopatas. Seja dono do seu país.

O roubo não para.

21/04/2017

Nos trâmites que envolvem TODAS as ações políticas e o dinheiro público, quando não percebemos onde está a mutreta, o rolo, o desvio, o desfalque, o roubo ou o crime, não significa que aquela ação é honesta. Isso só significa que ainda somos incapazes de perceber a corrupção naquele negócio. Só podemos ter certeza de que somos incompetentes para perceber a canalhice naquele momento, mas que ela existe e está lá, sempre, não tenha a menor dúvida.

Receita para lavar dinheiro.

29/06/2015

Ingredientes:

  • Alguns políticos corruptos (serve cabeção de estatal).
  • Um punhado de empreiteiros decididos a ganharem licitações a qualquer custo.
  • Um controle negligente do dinheiro público.
  • Você pode acrescentar, a gosto, gente graúda que se faz de surda e cega.

Modo de preparo:
Induza cada empreiteiro a pagar propina aos políticos, lançando-a como doação de campanha, “perfeitamente declarada como manda a lei”. Se algum boca-grande dedurar alguém e a massa chiar, diga que as doações foram um “investimento no processo eletivo democrático”. Reserve e espere que o povo se envolva em outras coisas e esqueça o assunto.

Servir frio, de quatro em quatro anos.

Qual é o significado de mais um I.P.V.A.?

02/01/2015

Acabo de ser assaltado! O governo me roubou em mais  mil e quatrocentos reais na forma de IPVA!

Depois de pagar 40% de imposto sobre o valor do carro e pagar permanentemente 53% sobre o combustível que ele consome, fui coagido, assim como milhares de brasileiros,  a participar da bolada que alimentará a gula de algum corrupto, já que não nos provam se o dinheiro retorna à sociedade, mas sabemos, todos os dias, como ele é roubado.