Charlie, o mártir!

Quando um chargista (ou um cartunista ou um piadista) faz uma gracinha mal educada, e de gosto duvidoso, contra o deus em que você acredita, a melhor resposta é rir do desaforo! Paradoxalmente, rir da piada esvazia o sentido da piada! Pois o efeito pretendido é que todos que discordam daquela fé, objeto da piada, se deliciem com a ofensa, enquanto os outros (os que gostam do deus ou do profeta ofendido) se mordam de raiva. É a lógica da escorregada na casca de banana (onde também não há piada!): todos que assistem a cena devem rir da vítima enquanto a vítima deve se conformar com o mico e as dores. Os autores desse tipo de humor ficam nus quando o ofendido ri da piada. Eles é que se sentem ofendidos! Mas é claro que você não pode argumentar com um radical desmiolado para que compreenda esse ponto de vista, assim como não pode pedir para que os idiotas livres amaciem. É a liberdade de todo mundo pisoteando nos calos alheios. Então as merdas fluem!

A Europa vive um crescente mal estar xenofóbico. As questões econômicas andam mal alinhavadas no mundo todo. O visitante, que chega vindo de um país desestruturado, mesmo que a Europa não seja o melhor dos mundos para os próprios europeus, se encanta com ela, e resolve ficar. Embora a maioria imigrante desempenhe tarefas mais simples e de menor remuneração, para as quais há mais oferta do que procura, o europeu médio considera que o invasor está roubando o seu emprego. Já a minoria rica, predominantemente a islâmica, se projeta como uma elite com representatividade no poder. Os indivíduos que chegam tendem a manter os laços culturais e religiosos com seus países de origem. Nós vivemos num país em que a miscigenação vem ocorrendo há meio milênio e mesmo assim não resolvemos a questão do preconceito racial. Na Europa o racismo é palpável e agravado por uma intolerância religiosa histórica que se origina no nascedouro das próprias religiões envolvidas. Uma mistura explosiva!

Varias coisas são certas. Os terroristas imbecis que resolveram apelar para a ignorância, como resposta à marotagem ignorante, fizeram um grande desfavor aos estrangeiros (ou negros, ou islâmicos) que tentam ganhar a vida honestamente no velho continente. Cutucaram um vespeiro, que tende a ser burro e inconsequente. Acordaram os racistas, eternamente a espera que alguém lhes dê uma chance de babar a própria sanha. Deixaram felizes os preconceituosos religiosos, que adoram demonstrar a veracidade de sua crença através do martírio dos outros. E, pior, transformaram o Charlie (logo o Charlie!) num dos mártires.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Realidade

Tags: , , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

8 Comentários em “Charlie, o mártir!”

  1. Wagner Says:

    Imaginei quando vi a charge, a seguinte charge, no lugar do maomé… A nossa senhora na posição dele da mesma forma(D4) … Será que os #je suischarlie estariam por ae… ??? Acredito que os católicos fariam pior que os mulçulmanos … Que o estardalhaço seria por meses… Mas como foram os muçulmanos … “Eles são assim” …
    Mas pimenta no c… dos outros não arde…

    • romacof Says:

      O “politicamente correto (leia-se permissível)” depende da ótica partidária do dono da casa. Vejo uma cena (leia-se charge): Jeová e Alá olhando perplexos pro mundão. Jeová diz: “Mas o que foi que nós fizemos?” E Alá completa: “Nós não! Você! Eu disse que era pra ficar só nas plantinhas e bichinhos!”


  2. Eu sei que vai parecer uma panacéia, mas a cura para todos estes males é sempre mais iluminismo. Mais iluminismo evitaria a rejeição do imigrante e ainda mais iluminismo evitaria até a emigração. Mais iluminismo evitaria o fanatismo religioso e ainda mais iluminismo evitaria até mesmo o dogma religioso. Mais iluminismo evitaria a vulnerabilidade ao terrorismo e á criminalidade em geral e ainda mais iluminismo evitaria até mesmo o terrorismo e a maior parte da criminalidade.

  3. Li Says:

    Venho de um lugar, nas cochilhas do Rio Grande,onde para ser respeitado bastava respeitar o outro.
    Lugar onde escola era impecavelmente limpa,palavrão tinha lugar e momento para ser dito,e piada tinha que fazer rir.
    Por vezes me sinto cada vez mais fora de lugar e não é só a velhice chegando,rs.
    A sensação de que estou no planeta errado é imensa.

  4. Li Says:

    Vejo este planeta como uma prisão. Só saímos dele pelo portal da morte. Entre nascer e morrer,o que temos?
    Para mim,a elevação da alma. O burilamento do espírito.
    Elevar os padrões,pode ser isso que viemos aprender…ou não!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: