Barbosa, Lewandowski e a chicana.

Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, no julgamento de um dos recursos do mensalão (lembra? aquela novela misteriosa iniciada há 8 anos que trata dos subornos envolvendo… ah! vá ao Google e se informe!), acusou Ricardo Lewandowski de estar fazendo chicana, em referência à análise do recurso, requerendo redução da pena, apresentado por um dos réus.

 O papo foi mais ou menos assim: Lewandowski disse: “Presidente, nós estamos com pressa do quê? Nós estamos fazendo justiça.”

E Barbosa respondeu: “Vamos fazer o nosso trabalho e não chicana, ministro.”

 A corporação judiciária caiu de pau em Barbosa! Esse negro, filho de pedreiro, arrimo de uma família pobre de sete irmãos, que estudou em escola pública e foi funcionário de uma gráfica, não pode faltar com o respeito e usar um palavrão desses, insinuando coisas suspeitosas sobre um dos colegas!

 Para quem não sabe, a palavra chicana significa processo artificioso, abuso de recursos e formalidades em questões judiciais, querela de má-fé, cavilação, razão falsa e enganosa, maquinação fraudulenta, sofisma, enredo, ardil, raciocínio vicioso aparentemente correto e concebido com a intenção de induzir ao erro, premissa ou argumentação cujo propósito se estabelece na intenção de produzir uma ilusão da verdade, apresentando uma estrutura lógica, porém com relações incorretas e propositalmente falsas, discussão argumentativa que supostamente demonstra a verdade, mas que possui em sua essência características ilógicas, todo discurso tendencioso cuja intenção reside na ideia de uma proposta capciosa para que se opte pelo erro, ação realizada com a intenção de ludibriar e enganar, mentira.

 Ainda traduzindo, mas simplificando, chicana significa enrolar para ganhar tempo (ou outras coisas mais substanciosas), quando todo mundo já está cansado de saber que a missa acabou há meses.

Pelo tamanho da explicação pode se entender porque Barbosa usou só a palavra chicana, mais curtinha, embora quase totalmente desconhecida da grande parte da população brasileira.

Mas isso não importa! O fato é que nas altas esferas jurídicas a palavra chicana é considerada um palavrão! E, convenhamos, Lewandowiski, sabedor do significado da palavra e das implicações de seu significado, não podia “lewar” aquele desaforo para casa! Ficou injuriado e devolveu: “Vossa Excelência está dizendo que estou fazendo chicana? Peço que se retrate imediatamente.”

Mas o Barbosa fez um gesto com o braço e a mão direita, que, se fosse traduzido, seria muito pior que dizer chicana, e emendou: “Não vou me retratar!”

Lewandowiski ainda esboçou uma reação indignada: “Como? Vossa Excelência tem obrigação. Eu não admito isso…”

Mas Barbosa bateu o martelo (acho que os juízes devem bater o martelo nessas ocasiões) e fez Lewandowiski engolir o seu não-admitismo, finalizando: “Está encerrada a sessão.”

Cena de filme! Tensa! Caras amarradas no final. Embora eu sempre ache bonitinho como eles se tratam de Vossa Excelência mesmo quando se xingam!

Como cidadão não vou entrar no mérito da elegância de Barbosa. Dizem que a Lei Orgânica daquela casa estabelece que os magistrados devem se tratar com “urbanidade e cortesia”. Até ontem a palavra chicana permanecia como uma coisa perdida nos rodapés do vernáculo e não seria considerada ofensiva para 99,9% dos brasileiros. Mas já que o seu contundente significado veio a público graças à veemente indignação do interlocutor de Barbosa podemos todos nós, de alma lavada, embora ainda com o corpo encardido, concordar com o presidente do STF.

Está havendo chicana? Sim! Alguém está ganhando tempo e dinheiro com isso? Sim! E, além disso, Lewandowki deveria ter a noção do deboche quando perguntou “…nós estamos com pressa do quê?” Ora, senhor juiz, se depois de oito anos de análise o senhor ainda não conseguiu chegar a uma conclusão sobre esse assunto velho e batido em paralelo com a realidade brasileira, eu conheço meninos pobres, que devolvem ao donos carteiras perdidas, que podem  desenhar para o senhor.

O país tem pressa! Pressa de acabar com a corrupção! Pressa de terminar com os assassinatos cometidos por esses homens que estão sendo julgados. Porque cada vez que morre um brasileiro por falta de atendimento, ou de equipamento, ou de medicamentos, que seriam adquiridos com o dinheiro público, eu lhe digo que esse dinheiro nós sabemos onde está e de que forma foi roubado.

O senhor já sabe o que significa chicana. Dispa a toga e desça algumas classes e o senhor vai saber o que significa pressa.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Política, Realidade

Tags: , , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

3 Comentários em “Barbosa, Lewandowski e a chicana.”

  1. Li Says:

    Temos,nessas terras de Santa Cruz,um caso ordinário com as palavras,rs.
    Adoraria que fosse uma paixão avassaladora,dessas que nos tira o folego e a razão.
    Mas não,as palavras ficam apenas na superfície do lago,boiando.

    • romacof Says:

      As palavras que ficam boiando na superfície do lago correm um sério risco de colidirem com outros objetos que costuma boiar, Sarney, merda, paus de inundação, sacos de lixo não recolhidos, e por aí vai, numa gincana da toga doida pra saber se a chicana foi engolida ou institucionalizada!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: