À Nobre Classe Política!

IX001007

(…e a quem possa interessar.!)

 

A injustiça machuca, a imoralidade mata… constitucionalmente.

 

Acredito que esta seja uma prática planetária, mas vamos falar da que nos atinge permanentemente, nos embasbacando todos os dias. É possível que já estejamos paralisados, pois perdemos a nossa capacidade de indignação. Vamos falar da elite do sistema político brasileiro, aquela que vomita na nossa face por todos os meios de comunicação. Vamos falar dos políticos que invadem as nossas casas com suas imoralidades sórdidas, sorridentes e felizes estampadas em suas caras bem nutridas e bem tratadas. Vamos falar da imoralidade que mata a esperança. Que mata o senso de justiça. Que mata a alma.

 

Como pode aquele povo sem voz acreditar na saúde de um filho num corredor do SUS? Como pode acreditar num emprego que permita a conquista de pequenos ganhos que se somem, e na esperança de dias melhores?

As migalhas que os alimentaria o espírito são vistas na televisão multiplicadas por milhões de reais e transferidas como horas extras inexplicáveis, recebidas por indivíduos que desconhecem o caminho até o seu suposto trabalho.

É possível citar uma a uma a miríade de desvios milionários sob as asas da lei?

Que país rico! Que povo crédulo! Como é fácil roubá-lo! Como é bom governá-lo!

 

Três poderes? Quem fiscaliza quem? Se todos roubam a quem podemos recorrer!

Os juristas atentos discordarão da afirmação de que há um roubo! Não há um roubo! O roubo é ilegal! Nisto reside nossa impotência, pois a imoralidade constitucional é legal. Ela se apóia nas doutas justificativas dos larápios de toga e gravata. O matar a alma pela imoralidade constitucional é legal. Do que reclamamos? Todas as complexas leis que se confundem propositadamente na grande teia da mamata pública são perfeitamente justificáveis e têm suas razões individuais de existir.

A imoralidade que ri de nossa perplexidade é legal!

 

Peguemos um caso. Acreditem! Um dos menores. Diga o salário de um deputado, de um senador, de um juiz, ou de qualquer um neste grande conluio de rabos presos. De antemão podemos afirmar que você estará errado! Numa proporção otimista você dirá um décimo do ganho real. O resto tem o apelido de auxílio-qualquer-coisa. Todos estes auxílios já foram repetidos de forma nauseante pelos meios de comunicação. E nós? Apenas olhamos! Apenas sentimos as mãos parlamentares vasculharem nossos bolsos e ficamos gratos quando não nos tiram as calças. Pois eles têm imunidades, e impunidades. Eles estão ao abrigo da lei!

 

Vamos propor soluções?

Anular o voto? Bobagem! Sempre haverá alguém que acreditará nas eternas mentiras e votará! e sempre haverá novatos com rabos novos para serem enredados, talvez inocentes a princípio, e depois, de forma gradual, convencidos pelos persuasivos mentores das leis, agregando-se, legal e imoralmente, ao sistema de bolsos ávidos e olhares esquivos.

Aumentar o salário dos parlamentares em 1000%. Por que não? Desaparecem os auxílios com mil rótulos. E – e isto seria o mais importante – aparece o pagamento do imposto sobre o que realmente se ganha.

Porque não? Compare a sua realidade com a de um parlamentar perfeitamente enquadrado nas leis trabalhistas.

 

Como profissional liberal, tendo o luxo de umas férias, eu tenho direito a um 11º salário. Você que trabalha e tem férias remuneradas ganha um 13º? Alguém aí ganha um 15º salário?

Nós trabalhamos de janeiro a abril para pagar os impostos. Nós trabalhamos de maio a agosto para pagar aquilo que já deveria ter sido pago pelos impostos pagos de janeiro a abril; e assim, bovinamente, pagamos os planos de saúde para que o SUS não nos abata nos corredores dos hospitais, pagamos por muros, grades e segurança privada, para que a ineficiência pública possa nos ignorar impunemente, e pagamos pela educação de nossos filhos na esperança de que um dia ganhem voz e digam: “Basta!”.

 

 Depois, de setembro a dezembro vivemos para nós e nossas famílias!

Vamos à praia. Sentamos no colo do Papai Noel para que ele possa nos fazer sentir lá no fundo quando os crediários vão doer. Alguns viajam, outros se entopem de drogas, tiram a roupa e se esvaem em suores carnavalescos… Isto que é vida!

 

Os romanos usavam a política do “Panis et circences”. Dêem pão e circo para o povo e ele se manterá feliz. E Isto ainda rola o ano todo: alguém já somou as horas de novelas que uma semana derrama em sua casa. Alguém já adicionou os infindáveis programas dominicais com suas fórmulas repetitivas. Alguém já se deu conta de que na vida real a zorra total nunca acaba e as pessoas continuam rindo das mesmas piadas infames? Funciona. O gado está feliz, isto é que importa.

Enquanto isto a imoralidade dos políticos continua matando.

 

Anúncios
Explore posts in the same categories: Política, Realidade

Tags: , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

One Comment em “À Nobre Classe Política!”

  1. gilberto2009 Says:

    Oi passando para desejar felicidades e dizer que adorei o blog, peço para dar uma olhadinha no meu: http://gilbertogil.wordpress.com/ ´´Descrevo,como vejo´´ é um blog de humor criado no intuito de fazer humor ao mesmo tempo informar, lá você pode se divertir e fazer donwloads de livros como crepúsculo, o segredo e muito mais..acompanhar o concurso beldades do orkut 2009 e votar. Espero que gostem e comentem, dessa forma iremos crescer juntos….valeu…!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: